Terapia Cognitivo Comportamental: técnicas e abordagens que você irá conhecer e se aprofundar

Terapia Cognitivo Comportamental

Nas últimas décadas a Terapia Cognitivo Comportamental – TCC – tem se destacado como uma psicoterapia capaz de alcançar resultados significativos para o paciente nas mais diversas patologias.

A TCC é uma abordagem onde o Terapeuta Cognitivo Comportamental apoia-se na análise do comportamento, ou na terapia cognitiva como fundamentação teórica. Terapeuta e cliente dedicam-se a investigar e modificar o padrão de pensamentos e comportamentos responsáveis pelo desconforto que o cliente está vivendo, produzindo mudanças cognitivas e comportamentais que possam proporcionar ou restabelecer um bem estar emocional, físico e social.

A Terapia Cognitivo Comportamental é explorada pelos principais pesquisadores do país, que atuam hoje no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP. Estes profissionais, que são Professores Pesquisadores, Mestres e Doutores, da equipe do AMBAN (Ambulatório de Ansiedade), com vasto conhecimento científico e grande prática clínica em Terapia Cognitivo Comportamental, compõem o corpo docente do curso ministrado hoje em Marília, presencialmente, organizado pelo ICC Marília.

 

 

Conheça algumas das teorias e técnicas abordadas neste Curso de Aperfeiçoamento em Terapia Cognitivo Comportamental:

 

1. Terapia de Aceitação e Compromisso – ACT

A Terapia de Aceitação e Compromisso – ACT – faz parte da terceira onda de desenvolvimento da Análise do Comportamento. Tem como objetivo despertar no paciente a consciência e aceitação ampla de seus comportamentos, pensamentos e emoções.

Para a ACT o paciente precisa fortalecer sua noção de aceitação e com isso aprender a observar seus sentimentos quando eles surgem, e não se esquivar por achar que não deve senti-lo.

2. Psicoterapia Analítico Funcional – FAP

A Psicoterapia Analítico Funcional – FAP – faz parte da terceira onda de desenvolvimento da Análise do Comportamento. É uma abordagem que foca na relação paciente-terapeuta, como forma de identificar e evocarcomportamentos clinicamente relevantes no setting terapêutico, e a  partir do reconhecimento dos comportamentos clinicamente relevantes, as sessões de terapia se baseiam no trabalho conjunto em relação a esses comportamentos e em como lidar com eles quando surgirem fora do consultório.

3. Terapia da Compaixão

Segundo Paul Gilbert, a Terapia Focada na Compaixão surge com a sua percepção de que os pacientes tratavam a si mesmos de uma maneira muito dura, com muitas críticas, hostilidade, raiva e desprezo.

Nesse sentido, um grande objetivo é possibilitar para o paciente o desenvolvimento de uma atitude mais compassiva consigo, a busca de uma voz interior calorosa e amorosa. Assim como falamos com carinho com um amigo, podemos passar a mudar o tom do auto-diálogo e passar a conversar também com um tom de voz mais ameno nesse interminável diálogo interno.

4. Terapia Comportamental Dialética – TCD

A terapia comportamental dialética (DBT) é um protocolo analítico-comportamental inicialmente desenvolvido para o tratamento do transtorno da personalidade borderline (TPB), e posteriormente para outros problemas comportamentais. O tratamento envolve a modelagem de comportamentos pré-requisitos, divididos nos estágios (1) “alcançando as habilidades básicas”, (2) “redução do estresse pós-traumático” e (3) “resolvendo problemas de vida e aumentando o respeito próprio”.

5. Mindfulness

A técnica Mindfulness consiste em uma prática que aborda exercícios psicoeducativos e meditativos com o intuito de alcançar um estado mental capaz atrair o foco da mente para o presente, aliviando sintomas causados pelo estresse e suas derivações psicológicas.

São realizadas atividades de respiração, meditação, contemplação e movimentos corporais que treinam o cérebro a atingir o estado mental do presente e nele permanecer, relaxando o corpo e a mente.

6. Terapia Cognitivo Processual – TCP

Baseada na obra O Processo, de Kafka, a Terapia Cognitivo Processual – TCP – tem como objetivo trabalhar as crenças nucleares que moldam o comportamento do paciente.

O processo terapêutico simula um julgamento em que o paciente é colocado nas funções de réu, promotor, advogado e juiz e em cada uma delas é preciso defender ou desconstruir os comportamentos colocados em pauta por ele mesmo.

Dessa maneira, o paciente é capaz de rever suas crenças sobre as situações que o atrapalham e moldar novos pensamentos e comportamentos, tendo em vista que a conclusão sobre cada ponto parte diretamente da reflexão feita por ele.

A Terapia Cognitivo Comportamental – TCC – e suas abordagens citadas acima são comprovadamente eficazes e trazem resultados significativos aos pacientes que são submetidos a elas. Imaginamos que vocês, psicólogos e psiquiatras, estejam intelectualmente curiosos e ansiosos para expandir suas habilidades terapêuticas.

Venham ampliar e aprimorar sua atuação profissional conosco. Participe do curso em Terapia Cognitivo Comportamental pela equipe do AMBAN (Ambulatório de Ansiedade) no Instituto Cognitivo Comportamental de Marília – SP.

 

 

Postado em Psicologia.